RPA (Robotic Process Automation): o que é e como funciona

O RPA possibilita a automatização de atividades operacionais rotineiras liberando recursos para executar funções mais estratégicas.

O Robotic Process Automation (Automação de Processo Robótico), conhecido como RPA, é uma tecnologia que permite a automatização de atividades humanas de rotina, como cadastros, consultas, validações e exportações, dando mais velocidade a esses processos, aumentando a produtividade e reduzindo erros. Podemos dizer que o RPA é um robô em forma de software que executa tarefas operacionais de uma pessoa.

O RPA (Robotic Process Automation) possibilita a troca de informações entre sistemas sem a necessidade de construir uma interface entre eles. Ou seja, ele pode navegar e capturar qualquer informação de qualquer aplicação ou site. Isso significa um tempo menor para implementar quando comparamos a criação de um RPA com uma customização e integração de interfaces.

A tendência do RPA (Robotic Process Automation)

Segundo dados do Gartner de 2019, o mercado global de RPA está crescendo 57% a cada ano. Em 2018 estima-se que foram gastos US$ 680 milhões e tem a previsão de US$ 2,4 bilhões até 2022.

“O RPA é uma ferramenta crucial na transformação digital das empresas, uma vez que acelera a digitalização dos processos, migrando o que é analógico e operado por pessoas em telas de sistemas por robôs fazendo integrações entre sistemas.”

RPA (Robotic Process Automation): como funciona

O princípio da automatização do RPA é a utilização de robôs, que são algoritmos capazes de executar tarefas que, num primeiro momento, repetem ações humanas, imitando as interações que os usuários fazem ao lidar com sistemas. Podendo evoluir para algoritmos cognitivos, que imitam o julgamento humano, tomando decisões, fazendo uso de machine learning e subindo mais um degrau evolutivo, aumentando a inteligência humana, com uso de Inteligência artificial.

Na entrada de dados automática, em sistemas de automação tradicionais, é necessário que um funcionário insira os dados no sistema em algum momento. No RPA, o próprio robô fica responsável por coletar e trabalhar os dados.

Já na integração de sistemas, qualquer plataforma (ERPs, CRMs, sistemas de gestão financeira, navegadores) pode ser automatizada. Afinal, o RPA não funciona influindo diretamente no código dessas aplicações, ele atua imitando os comandos que um humano faria em um sistema digital.

Na validação e qualidade de dados, enquanto está fazendo as suas funções, ele também é capaz de estruturar os dados transacionados e analisar a qualidade dos seus dados e, ao final, produzir um relatório capaz de oferecer um panorama do que está acontecendo na sua empresa.

3 vantagens da implementação do Robotic Process Automation (RPA)

Agora que você já sabe o que é e como funciona o RPA, apresentamos abaixo três vantagens da automatização usando o Robotic Process Automation para a sua organização:

1 – Agilidade: a criação de robôs é muito mais rápida do que o desenvolvimento de um sistema customizado ou a automatização via BPMS, dado que reproduz exatamente os mesmos passos que uma pessoa realizaria;

2 – Custo: por ser muito mais rápido de implantar, o custo de automatização de um processo via RPA é bem menor do que o de outras alternativas. Além disso, por acessar diretamente a interface visual dos sistemas, o RPA evita custos com integração de sistemas, que em geral são uma parte significativa em um projeto de automatização;

3 – Flexibilidade: uma das grandes vantagens do RPA é permitir que o próprio responsável pela realização do processo participe de sua automatização, fazendo com que eventuais mudanças e ajustes sejam mais ágeis (menor dependência da equipe de TI).

Escrito por:

Rodrigo Gomes, RPA Technical Manager na Inmetrics.